A Análise das Estrelas Voadoras - Parte II

Relendo o que escrevi no e-mail passado, vejo que algumas coisas podem ser mal interpretadas e por isso gostaria de esclarecer.

Quando digo que só pelo fato da estrela 8 estar na posição montanha em um cômodo esse é um bom quarto, e que não interessa de quais estrelas ela está acompanhada, quero dizer que, o primeiro raciocínio a fazer é: se o uso do cômodo é adequado?.

Dar um uso yin a um cômodo com uma boa estrela posicionada na montanha é a melhor cura que se pode dar a um local, da mesma forma que dar a um cômodo com uma boa estrela posicionada na água um uso yang.

Se uma porta está num 8 montanha - 2 água, só há uma possibilidade de “cura” ; fechar a porta.

Ou seja mudar o uso de yang, para yin, e dessa forma não os melhorar a prosperidade, colocando a porta numa área mais favorável, como também melhorar a estabilidade da saúde e dos relacionamentos dando estabilidade ao 8 montanha.

Claro que depois de verificar se o uso do cômodo é adequado em relação ao diagrama de estrelas, nos devemos ver como eu posso aproveitar da melhor forma as estrelas presentes no local.

Quando nos falamos em curas para estrelas voadoras, temos que ter em mente qual é nosso objetivo final.

No Brasil há uma piada, as pessoas costumam dizer que vão comprar “remédio” para (rato, barata), pragas em geral, e os outros dizem como você é bonzinho, sua barata está doente e você vai comprar remédio para ela.

Quando nos dizemos que vamos colocar uma “cura” par ao 2, ou para o 5, nos estmaso dizendo mais ou menos a mesma coisa...

Claro que nos não queremos “curar” o 2, nosso objetivo ao acrescentar uma “cura” num ambiente é diminuir a influencia das estrelas nocivas, e potencializar a influencia das estrelas favoráveis.

A melhor cura para uma estrela é outra estrela.

As “curas” que nos acrescentamos ao ambiente, são apenas tentativas de amenizar os efeitos desfavoráveis de uma energia.

A melhor maneira de fazer isso é usando uma estrela para fortificar outra. Por exemplo: quando nos temos numa ambiente qualquer o 9 fortificando o 8, essa é uma combinação excelente, porque a melhor estrela no momento está muito forte, mais vivida, mais ativa, mais vigorosa, não só por estar sendo gerada, mas porque está sendo gerada pelo 9, que representa calor, euforia, animação. Claro que nesse caso, o 8, pacato, e estável, será mais vívido.

Penso nas estrelas como qualidades energéticas que podem ser influenciadas por outras, e fica muito mais fácil analisá-las.

Por exemplo: quando o 3 se relaciona com o 8, o 3 é agressivo, irritadiço, competitivo, não muito ético, mas todo defeito tem uma qualidade correspondente. Nós também poderíamos dizer que ele é enérgico, ativo, forte, expansivo, corajoso.

Quando num ambiente o 3 se relaciona com o 8, e não há nenhuma cura, ele ataca o 8, ele rouba, ele compete, ele agride.

Numa empresa por exemplo: uma porta 3 montanha, 8 água pode indicar competitividade, perda de concorrências, roubo interno, desfalque, é o 3 roubando o 8, o 3 significa as pessoas, o 8 a prosperidade, portanto há pessoas roubando a prosperidade.

Já quando acrescentamos fogo por exemplo: criamos uma ponte entre as duas estrelas, e o 3 não pode mais atacar o 8, o fogo funcionaria como acordo de cavalheiros. É como se o 8 disse-se para o 3, tudo bem, você é agressivo, briguento, competitivo, então vem trabalhar pra mim, eu preciso exatamente dessas qualidades no meu negocio, e nesse caso a empresa se tornaria mais competitiva no mercado, seus funcionários (3 na montanha), brigariam para gerar mais prosperidade (8 na água) para a empresa.

Eu disse que não é possível analisar somente duas estrelas e estou usando exemplos somente com duas estrelas, porque isso, apenas para que vocês entendam o raciocínio, que devera é claro incluir também a estrela tempo, e não só a água e a montanha.

Vamos pensar num exemplo envolvendo tempo e água.

Vamos usar as mesmas duas estrelas para seguir o mesmo raciocínio.

8 na água 3 no tempo.

Nesse caso são as oportunidades e não mais as pessoas que estão atacando a prosperidade do local.

É como se o ambiente fosse de disputa, de briga constante, o momento só traz confusão e problemas, no caso de um empresa por exemplo, cada novo contrato vem acompanhado de inúmeros problemas, disputas, conflitos, que fazem com que algo sempre seja perdido. As oportunidades não trazem ganho, mas sim prejudicam o ganho, já que o 3 ataca o 8.

Numa empresa nos poderíamos ter por exemplo perdas em disputas trabalhistas, ou perda de concorrências....

A colocação de fogo nesse caso faria com que as situações de disputas e competitividade trouxessem ganhos a empresa. Portanto seria uma boa configuração para empresas que vivem de concorrência, desde que acrescido o fogo. A diferença está entre ter muitos problemas, perder uma parcela dos ganhos para outros ou e disputas, e ser competitivo, ter a oportunidade de ganhar em disputas.

Ao colocar água aí, nos estaríamos gerando mais prosperidade?